Papo de Paisagista – O que vem primeiro, a planta ou o pergolado?

Um jardim aconchegante normalmente tem um lugarzinho para sentar e apreciar a paisagem, observar os detalhes da natureza, curtir um momento de tranquilidade ou reunir pessoas, e para criar esse tipo de ambiente uma boa solução é utilizar os pergolados.

Pergolado em alvenaria com trepadeira Glicínia – Via Pinterest

No entanto, projetar pergolados não é uma tarefa tão simples quanto parece, pois precisamos pensar em muitos detalhes importantes que vão além da implantação (localização no jardim) e envolvem algumas questões técnicas, como definição de área, medida de pé direito, desenho estrutural com materiais apropriados, revestimentos, iluminação, mobiliário e ornamentos. Para tanto é importante definir primeiramente o uso do espaço. Como será esse ambiente? Será uma sala de estar ou terá apenas uma simples rede de descanso, uma mesa de refeição ou um banco?

Ambiente com mesa e para tanto a sombra foi proporcionada por uma “cortina de flores” da trepadeira Ipomea rubra – Via Pinterest

A funcionalidade do ambiente influenciará em várias decisões como por exemplo a localização no terreno e consequente insolação, as dimensões do ambiente e da própria estrutura e o tipo de cobertura pretendida, que pode possibilitar diferentes situações como uma luz filtrada ou sombra total.

Ambiente Gourmet sob luz filtrada – Via Behance

Redário com o perfume do Jasmim dos poetas – Via Pinterest

Mas a pergunta é: o que escolher primeiro a estrutura do pergolado ou a espécie vegetal que irá cobri-lo? Não existe uma regra e acredito que isso pode variar de acordo com a criatividade do paisagista, mas no meu caso, quando estou projetando, prefiro escolher primeiro a espécie vegetal para depois desenhar uma pérgola sob medida para ela, criando uma harmonia entre estrutura de apoio e planta trepadeira, tirando proveito do que cada espécie tem de mais interessante para nos mostrar.
Para que vocês entendam melhor o que estou dizendo, vou ilustrar com algumas imagens e explicar alguns poucos exemplos dentre uma enorme diversidade de opções de plantas trepadeiras com características tão específicas e diferentes.
A trepadeira Sete léguas, quando utilizada em pergolados, o objetivo deve ser o visual de cima da cobertura porque as flores se dão na parte de cima e não serão contempladas a partir da visão de quem está dentro do ambiente, embaixo do pergolado de onde só serão vistos os seus galhos.
Portanto essa trepadeira deve ser utilizada para ser vista de uma certa distância ou até mesmo a partir das janelas de um andar mais alto.

Pergolado de madeira com trepadeira Sete-léguas – Via Pinterest

No caso das trepadeiras que florescem em cachos pendentes como é o caso da Jade, Sapatinho de Judia, Brinco de princesa e outras, precisamos explorar a beleza das flores e integrá-las ao ambiente pois elas serão a atração principal e com certeza não vão passar desapercebidas na época da florada.

Pergolado em madeira com trepadeira Jade vermelha – Via Pinterest

Importante lembrar que no caso dessas flores pendentes temos um outro detalhe para pensar que é a circulação das pessoas que vão usar o espaço, portanto nesses casos é interessante criar um pergolado com pé direito mais alto que o padrão conhecido, assim as flores ficam em altura adequada para serem apreciadas mas sem atrapalharem o uso do ambiente.

Pergolado metálico com pé direito alto para a trepadeira Glicínia – Via Pinterest

Pergolado em formato de arco com pé direito alto para a trepadeira Sapatinho de judia – Projeto Juliana Freitas

E como a criatividade é ilimitada os projetos das estruturas podem variar muito e opções de plantas é que não faltam para compor com cada situação.

Tem espécie fácil de conduzir que permitem criarmos um arco na entrada da pérgola, tem espécie de crescimento rápido ou lento e você pode escolher conforme seu objetivo, tem umas mais densas que proporcionam mais sombra e outras mas ralas que permitem mais entrada de luz solar, tem as muito perfumadas, as de perfumes suaves e as que nem perfume tem, enfim… o cardápio é grande e a criatividade também.

Pergolado em arcos metálicos com rosas trepadeiras – Via Pinterest

Pergolado metálico com treliça em apenas metade da área e trepadeira Glicínia – Projeto O’Neill Rose Architects – foto Michael Moran

Portanto, sejamos conscientes e responsáveis para projetar levando em consideração tantos detalhes importantes e assim, realizar sonhos sem criar problemas futuros para nossos clientes.

Até nosso próximo Papo !!!

2019-08-12T17:22:55-03:00 Categorias: Paisagismo, Papo de Paisagista|

Deixar Um Comentário