Você acha que esse negócio de designer ou arquiteto “estrela” é de hoje? Muito antes de Philippe Starck, Zara Hadid ou Tom Dixon sequer existirem, lá em 1754, o marceneiro inglês Thomas Chippendale ganhou notoriedade com seus móveis elaborados e impecáveis. Na verdade sua oficina foi inaugurada em 1749, mas o sucesso viria apenas 5 anos depois com a publicação do livro "The Gentleman and Cabinet-Marker's Director" – uma espécie de manual que acabou se tornando a cartilha do estilo Chippendale, usado desde então. Com o reconhecimento na Europa, suas criações logo foram copiadas e se espalharam pelo mundo.

THOMAS CHIPPENDALE MARCOU ÉPOCA COM SEUS MÓVEIS TRABALHADOS QUE MISTURAM DIVERSOS ESTILOS

A grande sacada de Thomas foi unir referências de diversos estilos já consagrados para criar uma estética única. Então ele misturou um pouco do rococó, do gótico, do clássico… Outro fator que contribuiu para o sucesso de Chippendale foi a qualidade da madeira usada na época e do acabamento que ele fazia. Ele produziu tanto e com tamanhas variações que em certo momento ficou praticamente impossível distinguir o que era uma peça original assinada por Thomas e o que era apenas inspirado em seu trabalho.

 

Os detalhes preferidos do marceneiro eram as pernas curvas, presentes em mesas, cadeiras e às vezes até armários, os pés “pata de leão” e os diversos ornamentos esculpidos, mas ele também se aventurou criando móveis de influência oriental. Atualmente os móveis Chippendale originais podem ser encontrados em antiquários.

 

Agora que você já sabe a história desse estilo, conheça os ambientes da Dumfries House, uma casa na Escócia que possui mais de 50 exemplares originais do designer/marceneiro.